domingo, setembro 25, 2016

O pastor disse

É bom ouvir e interpretar o que foi dito. Certa vez, na cerimônia de casamento de dois amigos meus, o pastor disse que o amor é como a construção de uma casa. É preciso construí-la diariamente, parede por parede. Porém, salientou que o alicerce precisa ser firme, feito sobre uma rocha. 

Tais palavras foram estudadas durante horas por mim e consegui trazê-las à minha realidade. De tal forma que eu pudesse reinterpretar os novos acontecimentos. 

Às vezes a casa pode não estar sobre uma rocha firme. Em outras é possível que, mesmo com uma boa base sob os nós pés, a casa corre riscos. Conosco, por exemplo, foi assim. Uma ventania acompanhada de terremoto estremeceu a nossa residência, mas ela não caiu. Ficou seriamente danificada, mas não caiu.

Afinal, a nossa casa tem virtudes. É forte. Foi bem construída em muitos aspectos. Na verdade, o tempo difícil apenas alertou-nos para o que estava sendo feito com uma qualidade inferior. Foi então que percebemos as irregularidades de algumas paredes, que vão precisar ser reconstruídas.

O pastor disse e eu escutei. Mãos à obra.

quarta-feira, setembro 21, 2016

Missão cumprida

Talvez seja o texto mais difícil deste blog que há tanto tempo não recebe palavras.

O mês de setembro está quase no fim. O ano também. Mas não só isso pode estar terminando. Ainda não há uma resposta ou uma decisão final, mas preciso lidar com a possibilidade.

Durante os últimos cinco anos de minha vida eu cresci muito, como pessoa e como profissional. E boa parte desse crescimento, desse amadurecimento, tem nome.
Ela me mostrou um mundo cujo eu não sabia que existia. Mostrou-me também que existem dores irreparáveis. Tentei ajudá-la em milhares de momentos, mas nem sempre foi possível. 

Hoje, mesmo com o coração preocupado, sei que lutei sem cessar. Honrei o compromisso que firmei. Coloquei em prática todas as minhas melhores qualidades. Fiz tudo o que eu podia.

Hoje, ela também está diferente. Muito, mas muito mais forte, capaz de realizar os próprios planos. Sei que ela pode ganhar o mundo inteiro. E isso me acalma. Me dá forças. Me dá a sensação de dever cumprido.

Eu tive a sorte de tê-la ao lado. Sou grato por toda a felicidade. Aprendi com ela que existem dores irreparáveis, mas conheci também as memórias inesquecíveis.

Com todo o meu amor,

Pedro Henrique Costa Krüger.

quarta-feira, junho 01, 2016

O olhar de quem nunca desistiu

Todo ano tem o dia dos namorados, cujo é essencialmente (como a maioria das datas) voltado ao comércio. É apenas mais um dia, mas nem por isso a gente deixa de comemorá-lo. 

Pensei em diversas opções, mas gostaria de algo diferente. Algo meu e dela, ao mesmo tempo. Produzi com muito esforço uma imagem que se tornará em quadro, no qual traz o olhar de quem nunca desistiu e nas coisas nas quais se agarrou para não cair. 

De um lado, as lágrimas. De outro, o olhar convicto, destemido e determinado a vencer.

Fiz pensando justamente nisso, no quão difícil foi chegar até aqui. E o pior: a briga ainda não terminou.

Vai acabar, é claro, mas num mundo comandado pelo PILA as obrigações e os sonhos dependem de muito esforço, da atitude de nunca desistir. Por isso mesmo, repito: a briga vai terminar.

O quadro abaixo é o resultado do que eu quis transmitir. Não sou pintor nem artista plástico, tampouco considero-me artista. Sou jornalista e tento explorar ao máximo as palavras. Desta vez, eu consegui dizer muito mais com o significado das imagens. O único ingrediente que não mudou foi o do coração.