domingo, março 13, 2016

Bom coração


É oficial: precisamos nos cercar de boa gente.É, literalmente, cada um por si. Na rua, quase ninguém está gritando,...
Publicado por Pedro Henrique Costa Krüger em Segunda, 29 de fevereiro de 2016

quinta-feira, janeiro 14, 2016

Sem o mesmo "chão"

Hoje, aquele “chão” não existe mais. Feito a base de tijolos e argamassa, pulamos juntos em muitos momentos. Até mesmo no temporal. 

Conseguimos comemorar tantos lances e vitórias... Foram incontáveis! Inesquecíveis! 
Na tela, na bancada ou em frente à televisão. 

Não sei o que fazer agora, mas eu faria tudo novamente. Afinal, como não repetir o sorriso e os olhos brilhantes sob a chuva pesada? 

Aquele “chão” não existe mais. Será reconstruído. Mas em minha memória, sempre vai (e vamos) continuar de pé.

11 de janeiro de 2016 - 02h17min.

quarta-feira, janeiro 13, 2016

Fogo amigo

Carregávamos a M1 Garand, lembras?

Não estávamos na Segunda Grande Guerra, mas travávamos corajosamente a nossa própria batalha. Eu queimei muita pólvora, rasguei meu uniforme e fui atingido por estilhaços. 

Em nenhum momento pensei em levantar a bandeira branca, porra!

Quando corríamos em direção ao topo da montanha, aos gritos do nosso imperdoável comandante, eu fitava o teu rosto e presenciava o sorriso que batia de frente com qualquer face fechada. À guerra!

E à guerra fomos. Lutamos por anos. Não caímos frente a ninguém. 

Sempre dávamos um jeito. Era motivador correr a plenos pulmões para, finalmente, alcançar o abrigo durante o tiroteio incessante. Na mureta baixa e danificada, estávamos nós dois. Sujos de sangue e barro, permanecíamos ali. 

Sabíamos que tudo poderia ser diferente. Que os ataques covardes, um dia, cessariam. 

Nós acreditávamos. Por isso carregávamos a M1 Garand a qualquer lugar, pois estávamos sempre pronto para lutar.

Depois de tudo isso, no entanto, fomos atingidos. Fogo amigo. 

A guerra acabou.

11 de janeiro de 2016 - 02h15min.